quinta-feira, 31 de março de 2011

Eu não posso ficar calada diante de tanta violência...

A minha filha foi assaltada ontem na frente do teatro Tablado. Ela, uma amiga e um amigo. Dois caras em uma moto os renderam e com uma pistola prata na mão gritavam: Perderam.
Eles ficaram muito nervosos, entregaram tudo, mochila, livros, celulares, Ipod e algum dinheiro. Os bandidos só não foram mais violentos porque elas não reagiram. Chorando muito, trêmulas, indefesas elas foram amparadas pela secretária do teatro. Elas entraram em contato com nós, os pais, para dizer que estava tudo bem graças a Deus. A minha filha em lágrimas repetia:
- Mamãe, eu estou mandando luz para eles, não é possível apontar o revolver na cabeça das pessoas assim de graça.
A perda material é significativa sim, são pequenos objetos de adolescentes que para eles significam muito e que serão trocados por drogas. O que eles roubaram desses adolescentes foi à tranquilidade de andar pelas ruas dessa cidade aonde eu pago MUITO imposto para morar. De nós, os pais, eles roubaram a nossa possibilidade de educar. Francamente, ter que repetir para os tesouros de nossas vidas: "Tudo bem filha, ainda bem que você ta aqui, o resto não importa." Isso é verdade, mas também é falta de respeito, de direito de cidadania.  Hoje ao abrir o jornal, dei de cara com uma nota que dizia que dois homens numa moto circulavam pela Zona Sul assaltando e carregando várias mochilas nas costas e que nenhum policial os parou.
Eu me pergunto: "Como é que o jornal sabe e a polícia não?"

Denise Portes

7 comentários:

remall disse...

Da mesma forma que Rede Globo consegue descobrir tudo que é falcatrua e a polícia é sempre a última a saber.
Será que tem a ver com o último
presidente, que também nunca sabia de nada?
Ou será que tem a ver com o povo que continua a votar sem saber também de nada?...
E nós pagadores de absurdos impostos, somos os que mais sabemos de tudo, pois sentimos na pele, no coração, no desespero do abandono, nos nossos filhos reféns de seus medo.
E ainda somos obrigados a nos contentar com aquela frase que me irrita profundamente;
"Graças a Deus que não aconteceu nada pior"

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Saber todo mundo sabe, que a situação da segurança pública é péssima, ou seja, estamos à merce da criminalidade desvairada! Cada um por si, pois, e vamos entregando tudo rapidinho, como orienta a polícia, para não irritarmos o bandido. E mesmo assim muitas vezes não dá certo, e se morre brutalmente assassinado a sangue frio. Depois aparece na mídia que o coitado do assaltado, acreditando-se super-homem, tentou reagir! Tentou coisa nenhuma: ninguém reage com uma arma apontada para si. Em alguns lugares a coisa é pior, como no Rio, em São Paulo (SP), em Salvador (Ba), mas no Brasil todo o crime compensa.
Abs., Miguel-

'Lara Mello disse...

Porque infelizmente a policia não faz seu trabalho.. É triste isso e é em qualquer lugar, aqui, Rio, São Paulo.. Sorte!

Patricia s2 disse...

realmente é um absurdo.E já cansei de fazer a mesma pergunta.Em janeiro aconteceu algo parecido e não resultou em nada além de perder minha paz e dinheiro.

Bibi disse...

Ai, Deny, que relato! Graças a Deus está tudo bem! E que grandeza da sua filha, heim!? Eu sou parte da estatística da arma na cabeça e fiquei por um bom tempo assustada. Pior é a gente perceber que andamos em constante estado de medo e de alerta e isso não faz nada bem. Dignidade? Respeito? Oh, Deus! Livrai-nos de todo mal!

Claudinha Monteiro disse...

Certas perguntas são tão retóricas quanto "de onde viemos?" ou "para onde vamos?"...O que a policia sabe e o que ela faz com o que sabe são duas coisas distintas. E a diferença entre elas não é nada ética, infelizmente.

Patrícia disse...

Te entendo completamente. Desde que tentaram roubar meu carro, me assaltaram e depois roubaram meu step em um estacionamento não me sinto mais segura. As vezes até não me dá vontade de ir para a balada ou mesmo no centro da cidade.
Vergonha isso!
Penso como vou me preocupar se um dia tiver filho!
Beijo