quarta-feira, 26 de julho de 2017

Tipo isso...

"Eu queria mesmo é existir, sem explicação".

terça-feira, 25 de julho de 2017

Interrogação.

Quem sabe se eu me reinventar todos os dias pode tornar tudo ao meu redor muito mais interessante?

Denise Portes

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Escolha

A vida é mais interessante quando ficamos rodeados de quem prefere ser feliz.

Denise Portes

domingo, 23 de julho de 2017

Caminhos...

"Você pode escolher caminhos. 

Ou, simplesmente criá-los".

Ideal

Meu ideal seria escrever uma frase tão bonita que todas as demais palavras ao redor tivessem vontade de fazer parte dela.
Meu ideal seria escrever uma inspiração que vivesse de braços dados comigo e não falhasse quando a minha vontade fosse de preencher uma folha em branco.
Meu ideal seria escrever uma vontade de lapidar uma palavra nova. Uma palavra que virasse um presente pra que eu pudesse entregar.
Palavra de ser feliz.


Jaya Magalhães

sábado, 22 de julho de 2017

Sentir

Sentir continua a ser a única maneira que conheço de estar viva.


Jaya Magalhães

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Sentir

Hoje eu estou me sentindo plena de você e isso faz com que eu me sinta muito bem comigo.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Toques.

"O jeito que seu dia vai amanhecer depende muito de como ele vai se por".

"Tudo o que vaza é pele.
O que transborda, coração".

"O destino não é um conjunto de previsões, mas sim de escolhas".

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Insight

"Não é atoa que a calma tem uma alma dentro dela".

"Seja a saudade que alguém deseja abraçar".

Três tempos.

"O cafuné é quando os dedos beijam a nuca".

"Felicidade não é tamanho. É intensidade".

"Sonhos bem regados brotam pra fora da gente".

terça-feira, 18 de julho de 2017

Sossego.

"Corações alvoroçados precisam de sossego pra (re)pousar".

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Saudade

"A saudade é quando a gente esquece um pedacinho da gente, de propósito, em alguém".

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Vale lembrar.

"O tempo é um facho de sol que encolhe no chão".

"O tempo é uma janela aberta".

"O abraço é o começo de todos os carinhos".

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Memória.

"Tudo de mais precioso que aprendi é que não importa o tempo, nem o esquecimento: se a gente nasce pra ser feito de memórias, elas vão junto com a gente pra qualquer lugar".

Sobre as crenças.

"Crenças são leis da mente".

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Sobre o silêncio...

"O silêncio é a delicadeza de quem sabe ouvir".

Amigo.

“A amizade é quando você se empresta ao outro”.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Não é?

"O jeito que você vê a vida diz o jeito
que a vida olha para você".

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Lembranças.


"Queria poder peneirar lembranças. 
Talvez assim as coisas não fossem tão de doer".

Paranoia .

Quando os fantasmas internos nos assombram é como se o dia fosse uma eterna noite escura.

Denise Portes

domingo, 9 de julho de 2017

Um ano depois...

Um ano sem a minha mãe.... Quando o tempo parece não passar porque a saudade estacionou num canto do coração.

Denise Portes

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Eu e você.

Nosso encontro tão cheio de delicadezas sempre me diz muito de você.

Denise Portes

quinta-feira, 6 de julho de 2017

.:Leve:.

"Nunca fui muito boa com medidas. Tamanhos, pesos, quantidade, sempre me saltaram demais ao coração, sem que a vida tivesse ao menos certezas.
Sempre foi assim também com as perdas. Nunca fui de quantificar: sempre ergui tijolinhos no dia seguinte ao vendaval e me protegi na "muretinha" que, conforme o tempo foi passando, cresceu e ficou mais forte. Talvez seja assim mesmo: quanto mais a gente cresce, mais se defende do sofrimento porque mais tem dimensão do quanto dói a dor. Algumas feridas viram cicatriz sim, mas eu concordo também com Cecília (a Meireles) quando escreveu que
"Há uma saudade sábia
que deixa as coisas passarem
como se não passassem"
Há sofrimentos sábios também. Perdas sábias. Feridas sábias...
E todas as coisas sabidas, passam e a gente às vezes nem vê: quando pisca, já era.
Não sei como que é isso tudo, nem onde vai parar.
Só sei que tem dias que a gente só precisa que a vida seja como um vento.
E, ainda assim, ela insiste em "tempestuar"...

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Sobre o silêncio.


"Às vezes é preciso silenciar a mente, pra entender o que o coração quer da gente. Não é sempre que sabemos ir embora, e também não vai ser hoje que vamos aprender a ficar. A gente já sabe que tudo nessa vida carece de tempo, até as despedidas. Por isso, não apresse o prazo das voltas, nem prolongue a hora do adeus. Entrega teu coração ao caminho.  Coloca ele na frente e encontra a fé no que cê acredita. Deixa que o amor guie teu passo. Ouve, no silêncio aí de dentro, o que sua alma tem a dizer. E nunca, em hipótese alguma, desista: de sorrir, de confiar, de encontrar sua direção. Que a gente aprende com a alegria e com a dor, não tem jeito. E destino da gente é arisco, não cabe ao corpo controlar, mas cabe ao peito sossegar o pranto e ir em frente. Pensamento quieto, coração tranquilo, que as coisas se ajeitam. Uma hora ou outra, a gente toma forma de novo e volta a ser o que a gente era. Com um pouco mais de marca, um pouco mais de cicatriz, mas naquela certeza meio frágil de que a gente vai sempre até o lugar certo, quando entende que prece é canto,
que vem do silêncio do coração".

terça-feira, 4 de julho de 2017

Esperança...

"Esperanças não brotam em olhos cansados de enxergar o óbvio".

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Sobre fazer e desfazer malas...


"De tanto fazer e desfazer as malas há de chegar o dia em que sentirá vontade de ficar. De criar raízes, de estabelecer laços, de pedir uma xícara de açúcar para a vizinha, de assar bolo de maçã aos sábados, de ir pra praça aos domingos e ir ao teatro antes de anoitecer. Há de chegar aquele dia em que não questionará mais a liberdade, sentindo orgulho da tua solidão. Que te fez forte, que te deu coragem, que te levou lá longe, que te deu abrigo. Que te salvou da dor. Que te preparou pra ser uma boa companhia. Pra si, pro outro, pra quem vai chegar. Há de chegar o dia, e eu sei que não demora em que sentirá o desejo de pertencer... Ao chão, ao céu azul, ao novo, ao velho. Às ruas, ás calçadas, aos prédios, aos jardins, ao amor. E não sentirás mais o desejo de partir. E terás motivo para ficar. Erguer paredes. Plantar rosas. Pendurar quadros. Abrir janelas. Portas. Coração. De tanto fazer e desfazer as malas".

domingo, 2 de julho de 2017

Beijo.

"O beijo é quando dois sorrisos se embaraçam um no outro".

sábado, 1 de julho de 2017

Saudade.

Quando já não dá mais para esperar
é porque já virou saudade.

Denise Portes

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Pai e mãe.

Depois de quatro anos sem meu pai e um ano sem minha mãe eu me aceitei órfã. Fui até a casa deles e embalei pacotes de uma partilha que combinei com meus irmãos. Eram metros de saco bolha que embrulhavam lembranças de uma vida feliz que compartilhamos. Entre sorrisos e lágrimas eu já não sentia mais a presença deles naquela casa onde tantas vezes brindamos aniversários e outras datas tão importantes. Quantas risadas, casos, visitas, amigos, parentes, quantas fotos, músicas, quadros. As paredes parecem guardar a memória de cada minuto de alegria. Vida que segue e saudade que eterniza, eu acredito que o único consolo é saber que fomos muito felizes e sabíamos disso.

Denise Portes

O amasso.

O amasso é quando o amor é tão imenso que dá vontade de apertar pra sempre.

Renata Carneiro

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Parece que sim.

Para entender o fim é preciso compreender o início.

Eliane Brum

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Sobre os textos...

Este texto poderia acabar aqui, porque tudo já estaria dito. Mas as vezes é preciso contar uma história de mais de um jeito para que seja entendida por inteiro.

Eliane Brum

terça-feira, 27 de junho de 2017

Sobre as frases...

Porque uma frase só existe quando é a extensão em letras da alma de quem a diz.

Eliane Brum

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Adoro.

Seja realista, deseje o impossível.

Denise Portes 

domingo, 25 de junho de 2017

Trato.

Eu combinei comigo que eu ia amar você. 

Denise Portes

sábado, 24 de junho de 2017

Eu me identifiquei.

Sou um ser totalmente passional.
Sou movida pela emoção, pela paixão.... tenho meus desatinos...
Detesto coisas mais ou menos.
Não sei conviver com pessoas mais ou menos.
Não sei amar mais ou menos.
Não me entrego de forma mais ou menos.
Se você procura alguém coerente, sensata, politicamente correta, racional, cheia de moralismo... ESQUEÇA-ME!
Se você sabe conviver com pessoas intempestivas, emotivas, vulneráveis, amáveis, que explodem na emoção... 

ACOLHA-ME!
Se você se assusta com esse meu jeito de ser, AFASTE-SE!
Se você quiser me conhecer melhor. APROXIME-SE!
Se você não gosta de mim, IGNORE-ME!
E quando eu partir... não chore.
 

Clarice Lispector

sexta-feira, 23 de junho de 2017

O nosso jeito de amar.

É o amor chegou para nós, à paixão se revela de repente, muda a forma de olhar, o toque, o sentir fica maior. Uma alegria que vem antes mesmo do encontro. Ah que desejo eu sinto de cuidar do nosso sentir! Viver algo que só se aprende depois de muitos anos amando e deixando de amar. Para ser sincera eu nem sei se aprendi, apenas observei e sinto vontade de tentar viver com você. É para durar mais esse amor que estamos construindo, porque que tem que ser sempre igual? Cheio de pequenos ciúmes até se transformar em posse. 
E se tentarmos não perder a individualidade, não perder a liberdade de cultivar amigos? E se nos encontrarmos para compartilhar novidades e torcermos juntos um para o outro? 
Eu quero seguir ao seu lado, de um jeito diferente do que nos conhecemos, com a certeza de que podemos criar outra fórmula para o amor. 

Denise Portes

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Pode ser.

Sabe, eu me perguntava até que ponto você era aquilo que eu via em você ou apenas aquilo que eu queria ver em você, eu queria saber até que ponto você não era apenas uma projeção daquilo que eu sentia, e se era assim, até quando eu conseguiria ver em você todas essas coisas que me fascinavam e que no fundo, sempre no fundo, talvez nem fossem suas, mas minhas, e pensava que amar era só conseguir ver, e desamar era não mais conseguir ver, entende? 

Caio Fernando Abreu