quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A Guerra do Tráfico no Rio de Janeiro.

Moro no Rio de janeiro há trinta anos, quando cheguei aqui eu tinha dezoito anos. Tenho muito amor por essa cidade, pelas pessoas, por meus amigos, pelas praias, florestas e os lindos lugares que existem aqui. Uma cidade rodeada de montanhas e mar, uma beleza sem igual. Eu escolhi essa cidade pra viver e aprendi a conviver com seus defeitos. Como qualquer metrópole o Rio sempre teve seus defeitos, porém o dia de ontem e de hoje é muito triste pra todos nós que vivemos aqui. Conheço pessoas boas, bons profissionais que vivem nessas favelas. O boy, da produtora de uma amiga, um rapaz honesto, trabalhador, casado e com três filhos passou dois dias embaixo de uma mesa na casa dele. O motivo? Guerra de tráfico polícia invadindo a favela, balas perdidas...
É preciso que os governantes resolvam o problemão de segurança pública que existe nessa cidade, não é agradável conviver permanentemente com medo e assistir as barbaridades que assistimos na TV. Hoje eu me lembrei muito da música do Cazuza que diz: “Vamos pedir piedade, senhor piedade, pra essa gente careta e covarde.”

Denise Portes

6 comentários:

Helcio Maia disse...

Balas, vidas e inocências perdidas.
Lamentamos, ainda, a perda da liberdade de ir e vir, a perda da naturalidade, da pureza, da doce e indispensável ingenuidade.
Territórios são disputados com selvageria, como se árvores, rios, mares, flores, estrelas fossem privatizáveis.
Mas alerto: não conseguirão destruir a beleza, mesmo que haja tanta feiúra nesses momentos.
A vida sobreviverá!

Minéia Pacheco disse...

Me solidarizo com você. Tenho parentes que moram aí há anos. E realmente é muito triste saber que pessoas de bem estão passando por todo esse sofrimento. Essa terra tão linda não merece tanta violência!

Paz...

Néia (Dulci) disse...

Denise querida, quanta tristeza em ver hoje somente isso em toda a mídia, a que ponto chegou a violência no Rio, sendo necessário o uso de tanques de guerra. Quando pensaríamos ter que se fazer uso desse tipo de armamento no Brasil.
Desejo paz, muita paz!
Beijos

Estela disse...

Denise,
Me junto a você, a este teu depoimento, a este teu sentimento...
Eu sou daqui... do Rio, deste Rio que ainda há de sorrir...
Bjs.

Bloguinho da Zizi disse...

Denise
Eu nunca pensei que essas coisas aconteceriam na nossa terra.
Além do medo que tudo isso causa, minha alma fica apertadinha, triste, por ver que o Ser que se diz humano, desencadeia o terror em nome de algo que não tem absolutamente nenhum valor, ao contrário, só nos tira a verdadeira visão.
Que a Luz se manifeste e que a Paz se instale.

beijinho

Regina Guedes disse...

É Denise... estamos vivendo dias difíceis!!! Mas tenho Fé em um futuro diferente com mais cor e perfume. Sem dor e com mais sorrisos.
Beijinhos