segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Os meus brinquedos.

Eu tive o privilégio de nascer em uma cidade do interior, numa época em que a vida era mais fácil para todos.
Aos dez anos de idade a TV em cores chegou a minha casa, mas eu já assistia aos programas com papéis coloridos transparentes. Eu comprava alguns papéis de cores variadas e pregava com durex na tela da TV. Um dia os programas eram rosa, outros dias eram azuis. Eu me fantasiava de engraxate e com uma pequena caixa de madeira, eu sentava numa árvore no quintal e imitava o garoto da novela, “O meu pé de laranja lima”, do romance de José Mauro de Vasconcelos. Eu me lembro de uma vez que minha tia escreveu uma carta para um programa de TV da Neide Aparecida, ela era uma espécie de Xuxa dos anos 70. Eu estava almoçando na frente da TV quando eles sortearam a carta, eu ganhei a boneca. Era uma Suzi, a Barbie de agora.
Eu tive também um boneco pequeno chamado feijãozinho, esse era a minha paixão.  A Beijoca foi à primeira boneca chique que eu ganhei. Era uma boneca meio gordinha, da marca estrela, quando apertava os braços ela mandava um beijo. Eu não gostava dos bichos de pelúcia, tinha medo deles. Porém eu tenho um primo, Fernando, que os pais são donos de uma farmácia no interior, quando éramos criança ele fazia coleção dos vidros de remédios da farmácia. Aprendi com ele essa brincadeira e passei a gostar muito de brincar de vidrinhos. Minha mãe era costureira e eu pegava os retalhos para fazer roupas, colocava nome e montava enormes histórias para cada um. Os meus vidrinhos eram o meu país das maravilhas. Quando a brincadeira acabava eu colocava tudo numa caixa de sapato e guardava embaixo da minha cama, era ali que dormiam todas as minhas fantasias. Quantos personagens eu criei com cada um deles, quantas histórias inventei por ali foi uma alegria. Quando eu penso nos meus brinquedos de infância eu me vejo dentro da minha fantasia, pois era com elas que eu brincava. E ainda hoje é o meu imaginário que me faz mais feliz.

Denise Portes

*Esse texto faz parte do projeto "Dois Olhares" de Denise Portes e Néia Lambert http://www.eternosim.blogspot.com/*

9 comentários:

Bloguinho da Zizi disse...

Denise
Voei pro passado.
Meu sonho de criança era a Beijoca.
Pedi de Natal, mas meus pais não tinham condições financeiras pra me dar e me deram outra. Foi frustrante, chorei muito, pois ainda não tinha o entendimento das questões financeiras.
Eu tinha poucos brinquedos e os que tinha eram usados, mas não havia nenhum problema com essa questão. O que me lembro é que a minha imaginação ia longe.
Lembro de uma época em que meus pais estavam fazendo um ajuste na parede da casa e tinha areia no corredor externo e eu fica horas brincando ali, até que os vi me expiando e sorrindo das minhas fantasias.

Bons tempos, onde realmente se brincava.

Beijinhos

Karla Dias disse...

Minha infância foi na decada de 80, numa cidade pequena...De fato, olhando assim parece mais gostosa que a infância atual. Beijos

ૐ 'Priscylα disse...

Ah que infância linda ! É claro que na minha época já havia TV, mas preferia mil vezes brincar na rua de esconde-esconde, pega-pega, bete, bolitas, cola-cola americana e por aí vai.
Beijos Denise,

Helcio Maia disse...

Ainda guardo minhas fantasias numa caixinha de sonhos. E a levo onde quer que eu vá.
Linda semana, Denise!

LHÚ WEISS disse...

Olá querida!!
Como é bom lembrar, não é mesmo?
Na minha casa tinha autorama do meu irmão, Suzi da minha irmã, a Andinha da minha outra irmã, os tabuleiros de jogos variados da minha outra irmã, a mimadinha da minha outra irmã e é claro que entre todos os meus brinquedos o que mais se destacava era a minha Tonka, que eu amava de paixão...a rua não tinha limites e a minha imaginação também, não!!
Crescemos e outros brinquedos foram chegando e outros indo...até parece que foi ontem...
Hoje entre eletrônicos e com tanta facilidade do mundo atual, não consigo lembrar nem o que comprei semana passada...mas lembro-me muito bem dos presentes que ganhei...bons tempos...
Abraços
Lhú Weiss

Vanessa_Oliveira disse...

Lindoooo relembrar.
Eu tbm nasci no interior ... alias ainda vivo nele, embora em uma cidade muito maior.
O bom de crescer assim, é q tivemos infância neh?? corremos sem medo,
brincamos na rua.
Coisa q meu filho mesmo não pode fazer.
Bom relembrar. maravilhoso passar sempre por aqui.
Bjim ***

Gaby Soncini disse...

Que bom ter lido isso.

Que lindeza, e puxa vida, essa frase final me deu arrepios, ainda ontem estava falando com minha amiga, que as ilusões, fantasias, imaginações, que me deixam mais feliz também.

Grande Beijo Denise!
Estava com saudades.

'Lara Mello disse...

Época gostosa essa não? Eu amei minha infância!! :)

Néia Lambert disse...

E quem não conseguiu guardar ao menos uma lembrança boa da infância, não a terá vivido em toda a sua essência, certamente!

Um beijo.

Néia Lambert