terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O Escândalo De Viver.

Chegamos à vida com a certeza da morte. Escrevemos nossa história. Tentamos resgatar a bondade, combater o mal no nosso interior. O estudo interior é fino e sutil. Para entrar no reino sagrado é preciso recuperar o sagrado em nossas vidas. Fazemos isso descartando o egoísmo, abrindo espaço para o amor.
Onde está o mapa para localizarmos o nosso próprio destino? Deus nos manda sinais. Atenção ao toque dos anjos, que vivem ao nosso lado, nos ajudando e nos protegendo de todo mal. Eles nos ensinam a gentileza.
- Olá, bom dia, como vai você?
- Muito prazer.
- Vai com Deus.
A emoção simples e a educação básica.
O divino sussurra nos nossos ouvidos. O amor no coração nos guia. Uma única palavra pode nos dar coragem ou transformar nosso prazer no nosso pior pesadelo. De onde viemos?
Para onde vamos depois de morrer? De onde vem o mal? Quando nasce o amor no coração dos homens? As pessoas perguntam isso desde a era paleolítica em rodas ao redor do fogo.
Essa ânsia das culturas de criarem histórias místicas. Todos fazem indagações. De crianças a adultos. Histórias místicas falam de heróis que estão emperrados. Para se soltarem eles precisam dar um passo diferente na vida. Através da história da maioria dos mitos literários, você crê no poder humano de se transformar. Essa é a questão do heroísmo. Os heróis são educados. Chique é ser fino. Chique é ser simples. Abracadabra me recupere. Abracadabra me dê humildade, alegria e humor. Consagre-me com o divino. Abracadabra, não me deixe passar por este mundo sem melhorar. O poder supremo pode ser invocado por meio da fé contínua e da prece incessante.

Vida escandalosamente boa e prazerosa. Escândalo é a oportunidade de estar aqui. Você é um escândalo.

Denise Portes

3 comentários:

✿ chica disse...

Lindo e animado teu texto! Vamos viver bem sempre!!!beijos,chica

Solange Maia disse...

escândalo é ter essa capacidade de ler a vida...

adorei seu texto !!!

beijo carinhoso

Nara disse...

Lindo post, Denise!!! Muita reflexão mora aqui...*--*

Um abraço,
Nara