domingo, 18 de dezembro de 2011

Sérgio Britto.

Já faz algum tempo que ando introspectiva e tenho pensado muito nas pessoas, nos relacionamentos que criamos no decorrer da vida. Tenho olhado a vida por uma janela de recordações e de lembranças, o tempo passou e eu tenho ainda mais histórias para contar. Ontem, Sérgio Britto foi para o andar de cima. Um lindo homem de teatro, eu tenho muito orgulho de tê-lo encontrado em minha vida. Quando cheguei ao Rio de Janeiro, aos dezenove anos de idade, fui fazer o primeiro curso de teatro da CAL, Casa de Artes de Laranjeiras, que era ministrado por Sérgio Britto e Glorinha Beutenmuller, professora de voz. Era uma sala cheia de futuros talentos, Zélia Ducan, Ricardo Linhares, Moacyr Góes, Paula Burlamaqui, Luciano Sabino, gente que virou cantor, escritor, ator, diretor e muitos outros que eu não sei. Eu era a única estudante de odontologia que amava o teatro e a arte em geral. Sérgio Britto era médico formado, porém ele sempre foi um homem de teatro e um ser humano como poucos. Tornamo-nos amigos e por um tempo frequentei a casa dele e muito aprendi com ele sobre a arte de representar. Um dia ele me disse :
- Você não é uma atriz, você é uma contadora de histórias.
Em maio fui assistir a uma peça aqui no Rio e ele estava na platéia, já bem velhinho e andando devagar. Eu me aproximei dele e nos abraçamos. Eu disse:
- Sérgio, eu levei tanto tempo para ver que você tinha razão, preciso contar histórias.
Ele sorriu e me disse:
- Que bom que você já começou. É somente isso que importa.
Foi assim que nos despedimos, vai em paz meu querido mestre.

Denise Portes

2 comentários:

Bloguinho da Zizi disse...

Denise
Só o conheci via tv, mas te digo que o tom de voz dele, a vibração, dela era algo que sempre me marcou.
Com certeza ele fez o melhor e ... lá de cima, sem a carga desta vida, vai fazer muito mais.

Beijinhos

Marcia Bortoletto disse...

Lindo o seu Blog, Parabéns!!