domingo, 1 de maio de 2011

Cazuza, o doce exagerado.

“Todo dia a insônia me convence que o céu
Faz tudo ficar infinito
E que a solidão é pretensão de quem fica
Escondido fazendo fita...”
...
Imbuída de um sentimento de amor, que anda permeando minha vida nos últimos tempos, eu passeava pela orla de Ipanema de bicicleta, na tarde quente de outono de hoje. Ainda tinha sol e a cidade parecia vazia, como acontece quando tem jogo Flamengo e Vasco, no Rio de Janeiro metade da população é Flamengo e a outra metade é Vascaína, enfim eu sentia o outono.
O mar calmo me fez lembrar os fins de tarde em que eu fazia praia no posto 9 em Ipanema. Cazuza, sempre foi à presença mais marcante da praia nos anos 80. Sua risada exagerada e seu jeito de moleque esquentavam as gerações naquela época. Até hoje, eu me alegro ao passear por aqui. Eu me emociono ao perceber o quanto ainda tenho de Cazuza em mim com esse meu jeito exagerado de ser e de sentir.
Denise Portes

‎'A gente não precisa de certezas estáticas. a gente precisa é aprender a manha de saber se reinventar.'

Ana Jácomo

Um comentário:

RosaMaria disse...

Impossivel não se reconhecer nas letras do exagerado...

beijosss