segunda-feira, 11 de julho de 2011

Seja Leve.


Já faz algum tempo que parei pra observar as opções e os caminhos que as pessoas escolhem para suas vidas.
Assim como a personalidade, a forma de encarar o cotidiano também tem um jeito de ser. Hoje entendo um pouco mais o frio que sopra na velhice, aquele movimento do corpo se curvar para dentro, como se voltasse à posição fetal. Eu conheço gente que já se esticou inteira em centros cirúrgicos, buscando formas de se tornar mais jovens, nada contra, mas gosto das marcas que vão se formando no decorrer da vida.
É claro que se eu pudesse escolher eu iria preferir o viço da juventude. Mas as descobertas da maturidade fazem muitas diferenças em nossos caminhos. A fórmula da juventude, para mim, são doses diárias de alegria. Buscar caminhos no cotidiano pra se tornar uma pessoa mais feliz faz toda a diferença.
Isso precisa se tornar mais constante a cada minuto, recuperar sorrisos muda a vida. Optar por olhar o mundo com olhos de promessa, gargalhar e sentir prazer. Eu acho incrível, as pessoas optam por serem rabugentas, chatas, arrogantes, autoritárias, a tentar domar e dominar esses caminhos que levam a mais angústia. Como fazer diferente? Não sei a receita, mas estou certa do sucesso, vale tentar, vale pensar sobre.

Denise Portes
 
*Esse texto faz parte do projeto "Dois Olhares" de Denise Portes e Néia Lambert  http://eternosim.blogspot.com/*

11 comentários:

Bloguinho da Zizi disse...

Acredito que a rabugisse seja por conta
da perda da juventude.
Encontro pessoas de 50 anos acabadas por estar a meio século nesta vida e, outras de 80 e 90 anos felizes, rindo e passando toda a sua experiência de vida de forma alegre e com planos de vida.
Essa são leves e tem o segredo lá dentro delas.
Vamos descobrir o nosso???

Teresa Cristina Martins disse...

Olá Denise, linda e profunda reflexão. Creio que ficamos mais libertos quando temos consciência e respeito das escolhas que as pessoas fazem para suas vidas e as escolhas que fazemos para as nossas. Grande abraço

Néia Lambert disse...

Denise, bem sabes que não sou de elogios pessoais explícitos, mas hoje vou ter que me render, você é uma das pessoas mais leves que já conheci na vida. Sinto-me altamente privilegiada por ser sua amiga.

Um beijo, com carinho.

Néia Lambert

Vanessa_Oliveira disse...

Amei seu cantinho _ lindo demais;)
Já estou te seguindo
Bjim e boa semana ***

Marcia disse...

Bom dia, Denise

Se existe coincidencias ou não, verdade é que pensava sobre isso nesta madrugada...

Ah, se na minha juventude tivesse o equilibrio e a segurança que tenho hoje... O tempo nos dá sabedoria e isso compensa todas as rugas e cabelos brancos que insistem em nos acompanhar. Aceitar o inevitável nos traz leveza com sabedoria e felicidade.

Beijos e ótima semana!

Marcia

Nara disse...

Lindas palavras... é uma bela maneira de levar a vida - mas na verdade ela que nos leva - , ser leve e ser intenso é um dom de poucos... Ser leve com as ações e intenso com o viver com alegria e tudo mais de bom que tem para se desfrutar dessa vida...

Abç,
Nara

ps.: como eu disse no blog da Néia os textos desse projeto se completam...

Valéria disse...

Oi Denise!
Sou mesmo muito desligada, só agora percebi esta parceria com Néia. Não que eu não soubesse dela, mas agora entendi os dois olhares. Sensacional! Poesia em verso e prosa!
Noooosa como complicamos nossas vidas podendo-a tornar mais leve nosso caminhar. Adorei ler seu texto, preciso aprender a ver a vida com outros olhos e tornar a vida mais leve.rsss

Abraço!

Afetos e Ofertas disse...

Oi Denise,
que post mais gostoso de ler...

As pessoas se revelam mesmo nas suas posturas, na maneira de encarar ou não a vida.. e infelizmente tem gente que passa soh vendo lado ruim e dificil..então elas se transformam naquilo que engoliu e viveu a vida toda...

bjs
Nana

'Lara Mello disse...

Também desencanei com as pessoas,e não sou mais a pessoa de uns tempos atrás.. Sorte! :)

Helcio Maia disse...

Denise, amei a imagem da recuperação de sorrisos. Como o tempo inexiste, reencontrar sorrisos consiste, simplesmente, em acariciar o que a gente mais gosta, é a aposta na vida, sem jogo, com toda a sorte que se puder encontrar!!

Patrícia disse...

Ainda tenho 30, mas vejo que você tem razão! Tudo depende de como encaramos a vida e não do número de aniversários. Conheço velhos com 25 e jovens de 80. Beijo!