quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Fim de noite.



Eu preciso do silêncio da casa dormindo, das luzes se apagando devagar depois das escovas molhadas no banheiro e as janelas que fecho uma a uma. Neste momento os meus pensamentos desaceleram e a calmaria vai tomando conta do espaço. Leio o livro de cabeceira, que no momento muito me encanta, vou para um mundo que não é meu.  Apago a luz e penso no dia que se foi com certa ternura, pois já não me permeia mais a irritação. Muitas vezes me vem o desejo inventado por tantas coisas, ou pessoas e situações. Quando a noite se torna madrugada e meu coração fica longe do seu, já nem te amo mais, afinal a lua já está alta e meus poemas somem no horizonte e durmo tranquila e profundamente. É que amanhã vai ser outro dia. 

Denise Portes

Um comentário:

Liliam Virtudes disse...

Bem assim. Belos sentimentos transformados cuidadosamente em palavras. Amei!!